segunda-feira, 1 de junho de 2009

“Os Mortos continuam mortos!”

Estou arrasado! Não pelo absolutismo literal do título, e sim pelo sentido pejorativo do mesmo, ou por estes mortos estarem vivos. (Eu explico...).
Durante este período de existência que chamamos Vida, acumulamos experiências, os quais nada mais são que o somatório de nossos erros; erros estes que são inevitáveis deste lado do céu. Todavia, a forma como tratamos eles podem nos levar a morte, sem que necessariamente precisemos morrer!

Determinados erros se arrastam como bolas de chumbo presos as nossas costas, impedindo-nos de andar rápido e muito menos voar, e viver é voar, e voar alto, bem alto.
- Quão torturante é para “ex-mãe” que carrega consigo um inconsequente aborto adolescente...
- E o que dizer do esposo que dorme e acorda com a amante de uma noite de carnaval?!
- Mas, então podemos falar do enriquecido pelos pescoços que acumulou para subir na vida, e hoje lamenta os tantos pais de família que jogou na sarjeta do desemprego!
Estas e uma inúmera coleção de intempéries da vida (burradas, em português!) matam seres vivos, sem levá-los à cova, mas os mata lenta e progressivamente. E o grande problema, é que esses mortos continuam mortos.

Pessoas assim não podem reviver sonhos, não podem visitar determinados lugares, sentirem determinados cheiros, terem certos olhares... pois, um – ou todos estes – levam o indivíduo ao seu torturante passado, lá onde encontraram-se com o tribunal do inferno. Então, estão ou não estão mortos àqueles que não podem viver a vida em sua plenitude?! Alguém estaria vivo tendo que se abster de coisas da vida?!

Diante dessa verdade sepulcral, Jesus afirma que seu fardo é leve, que pode aliviar o cansaço e ensinar a viver (Mt 11.28-30). Mas, como?
1. Confessando.
Apesar de não ser católico, sou adepto da confissão! (Tg 5.16).
2. Trabalhando.
Após confessar, precisamos ir à luta, não fomos criados para ver a banda passar, nascemos com baquetas nas mãos! Ou seja, “boas obras”. (Ef 2.10).
3. Praticando.
Todos acreditam em Deus, mas poucos creem! O verbo “crer” nos leva ao campo da prática (Mt 7.24).

Então, os mortos continuam mortos... se quiserem! Pois os vivos em Jesus jamais verão a morte. E ainda, podem andar aliviados e descansados.

PS: E a propósito, sinto-me bem melhor... pois estou vivo!

Em Cristo,
Kiko

Nenhum comentário: